quinta-feira, 11 de outubro de 2007

A educação neste país

Ela tinha 17 anos, veio de família humilde e dependente financeiramente das roupas costuradas pela mãe (nem sempre pagas) e estava no seu primeiro emprego.

Professora.

Muitos dos alunos eram mais velhos que ela, repetentes tão largos quanto um quadro-negro. Um deles era Valmir Fulano de Tal. Encrenqueiro, metido e literalmente burro.

Insatisfeito com o rigor da professora, Valmir, ao fim de uma aula, esperou a saída de todos para cercar a mestra na porta da sala. Estendeu o braço para bloqueá-la.

"Licença, preciso ir embora".

"Ora, professora, cuidado, se eu quiser passo por cima da senhora".

Ela olhou para o cidadão, colocou o dedo na cara dele e respondeu, firme:

"Vira homem, vem e passa".

Valmir perdeu o sorriso debochado, abaixou a cabeça e desobstruiu a passagem.