quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

[Esporte] A mesmice

* Barrichello está animado com o carro de 2008.

* Dodô fez um gol bonito. E eu farei outro post “A mesmice” quando ele falhar em decisões.

* A imprensa diz que o Fluminense desencantou e que começa a se acertar.

* Washington marcou dois gols.

* Muricy Ramalho deu uma entrevista rabugenta e divertida.

* Leandrinho jogou bem na NBA.

O reforço da hipocrisia

Representantes da comunidade judaica solicitaram à escola de samba Viradouro, do Rio de Janeiro, que não leve à avenida um carro alegórico simulando uma pilha de cadáveres, em referência aos mortos pelos nazistas em campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

A escola negou o pedido.

Oras, o cinema pode retratar a carnificina, a literatura pode descrever câmaras de gás, os próprios alemães podem reviver sua vergonha, a História pode registrar a negação do homem como homem.

Por que diabos um carnavalesco não pode? Não tira a alegria do carnaval, só mostra como a espécie humana é detestável. A memória do Holocausto é válida.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

O reforço dos estereótipos

O antropólogo e professor da Universidade Federal da Bahia Roberto Albergaria considera um absurdo a eleição de um rei momo magro no carnaval do estado. Ele declarou ao Correio Braziliense que “um rei momo magro é tão esquisito quanto um papai noel sem barba branca, uma baiana de acarajé sem saia rodada”. Segundo ele é contra o patrimônio cultural.

Independentemente dos interesses por trás da indicação do rapaz de 58 quilos, um acadêmico, formador de opiniões de uma instituição pública, não pode reforçar estereótipos, o que pode desembocar em preconceitos.

Papai noel de barba branca, vestido com uma roupa de frio vermelha é coisa do hemisfério norte. Lá no fim do ano é inverno, aqui é verão.

Árvores de natal salpicadas de neve nas casas brasileiras é que são atentados contra a cultura nacional.

Demorou para acontecer

Vou encarar a convocação do Leonardo Moura para a Seleção Brasileira como uma forma de o Dunga mostrar como aquele cidadão não tem a mínima chance de jogar pelo Brasil.

Moura é o típico jogador metido a malandro, metido a bom de bola, metido a vencedor. Pensa que só por ser carioca é nascido pra jogar futebol. Metido como o Romário, marrento como o Romário. Mas não é o Romário.

A torcida do Flamengo exalta o Obina. Daí você tira sua conclusão quando ela exalta o convocado.

Tampouco, Maicon é o sucessor de Cafu. O camisa dois canarinho deve ser o Daniel Alves, do Sevilha.

E o técnico do Brasil o (W)Vanderlei Luxemburgo.

Melhor no deles do que no nosso

A insanidade de Hugo Chávez não tem limite. Ele quer criar um exército conjunto com Cuba, Nicarágua, Dominica e Bolívia. E se mais alguém quiser entrar na onda, fique a vontade. Ainda bem que o bom-senso de Lula e a fraqueza militar do Brasil impedem o nosso ingresso em idéia tão absurda.

Chávez cutuca o condor com vara curta e quer aliados caso a coisa fique feia para a Venezuela. Como diz o jornalista do SBT Carlos Nascimento, nada como criar inimizade com a maior potência bélica da história. E uma potência disposta a matar.

Estado das nações

Folha Online, 28 de janeiro, 23h58: Bush pede ao Congresso americano mais dinheiro para financiar operações de combate no Iraque e no Afeganistão.

Folha Online, 29 de janeiro, 00h45: Um homem é detido em frente à sede do governo americano por ameaçar o presidente Bush. Desarmado.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Também elogia-se 2

Parabéns à polícia.

Certa vez, este coveiro procurava um endereço despretensiosamente em uma quadra residencial de Taguatinga. Estacionei e fui fechado por uma blazer sem identificação. Três homens com pistolas, curiosamente apontadas para a minha cabeça, mandaram-me descer e revistaram-me. Imaginei ser um assalto e vasculhei minha mente em busca do seguro do carro.

Os senhores não-identificados, nem com uma mísera farda, olharam meus documentos, revistaram meu carro sem minha presença (o que é ilegal, pois poderiam ter implantado uma prova falsa) perguntaram uma coisa ou outra e fizeram menção de ir embora. Pasmo, questionei:

“Vocês são da polícia?”

“Se não fôssemos, rapaz, você estaria encrencado.”

Então por que diabos não me falaram isso antes?

Tá certo, menos mal. Realmente Taguatinga está mais policiada, com mais rondas (vide o crescente número de perseguições na cidade). Porém, o modo de abordar dos nossos defensores foi desnecessário, por pior que sejam as condições de trabalho destes profissionais.

Em contrapartida, presenciei outro dia a revista de cinco playboys arruaceiros. As antas não eram bandidos, apenas moleques. Dois policiais militares, FARDADOS, IDENTIFICADOS, pararam os rapazes e, com educação, solicitaram que o motorista acompanhasse a revista do carro. Pediram ao mais bêbado deles que abrisse a própria sacola. Tudo nos conformes.

Deram uma justíssima lição de moral nas criaturas e ponto final.

Trânsito

A Secretaria de Transportes do Distrito Federal promete implantar este ano faixas exclusivas para ônibus em vias como a EPTG e Hélio Prates. A idéia faz parte do programa Brasília Integrada.

Se concretizada, a iniciativa é ótima. Deu certo em cidades tão caóticas quanto Brasília, como a Cidade do México e Bogotá, Colômbia. Aqui funcionou em Curitiba e em Goiânia. O problema dos nossos vizinhos do Centro-Oeste é apenas a qualidade dos motoristas.

Para encurtar caminhos

O GDF vai licitar uma nova ponte para ligar a Universidade de Brasília ao Lago Norte, área nobre da capital federal.

Esperemos 2010 para o dono do pedaço voltar. Joaquim Roriz e a construção de um viaduto de Taguatinga a Goiânia.

Um exemplo do imediatismo, esquecimento e banalidade da cobertura jornalística brasileira

O que foi feito do senhor Renan Calheiros?

A bancada de deus (com minúsculo mesmo)

O arcebispo do Rio de Janeiro, dom Eusébio Scheid, pediu aos fiéis que rejeitem candidatos a mandatos públicos favoráveis ao aborto.

A Constituição Federal determina que o Estado brasileiro seja laico, ou seja: IGREJAS, NÃO METAM O BEDELHO EM POLÍTICA.

Que interesses podem haver por trás do uso da máquina religiosa? Imaginem o potencial dos sacerdotes, pois falam para dezenas, centenas de pessoas fiéis às palavras dos senhores terrestres.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

É preciso cortar a raiz

O Conselho Deliberativo do São Paulo ampliou de dois para três anos o mandato presidencial do clube. Assim, o eleito em abril próximo ficará no cargo até 2011. Fica mantida a possibilidade de apenas uma reeleição.

A pergunta é apenas uma: pra quê? Oras, a resposta só pode ser: perpetuação no poder. (Os conselheiros também aumentaram o próprio mandato para três anos)

O antigo sistema eleitoral são-paulino permitia um mandato máximo de quatro anos, tempo suficiente para estruturar infra-estrutura e elenco e conquistar títulos. Então haveria rotatividade, novas idéias, desassociação do nome do clube com figuras privadas.

A experiência mostra o desastre de dirigentes eternos. Alberto Dualib conseguiu tudo a frente do Corinthians, tudo mesmo, até rebaixar o time. Mustafá Contursi fez o mesmo com o Palmeiras e Marcelo Teixeira se esforça para afogar o Santos. Sem falar de Eurico Miranda e o coitado do Vasco da Gama e o péssimo Ricardo Teixeira na CBF.

No vôlei, após implantar um sistema moderno de gestão, com Carlos Arthur Nuzman, o Brasil virou referência na modalidade. Exatamente o inverso acontece na Confederação Brasileira de Tênis e de Basquete. Numa, dependemos de nomes como Guga e Maria Esther Bueno para levar o país nas costas. Noutra, temos apenas longínquos mundiais e um Pan-americano contra os reservas americanos.

Fora do país e do esporte, vemos Hugo Chávez mandar prender, soltar e prender de novo na Venezuela, sustentado em rios de petróleo. Os Castro impedem a melhora da qualidade de vida cubana. Não esqueçamos que na queda do Muro de Berlim ninguém mudou do lado capitalista para o socialista.

O São Paulo atingiu um modelo de eficiência em gestão que abre brecha para continuísmo. Como a Alemanha e Hitler, como o primeiro mandato do então presidente FHC. É cedo para apontar tendências autoritárias e um Holocausto tricolor, mas o clube não precisa disso.

O DF terá um presídio, dizem, de segurança máxima

Quando vão construir uma escola de educação máxima?

Também elogia-se

(Se você olhar à sua direita, neste blog, encontrará duas palavras que influenciam este post: “petista” e “capitalista”.)

A parte petista:

* O Correio Braziliense de hoje informa que o desemprego no Brasil é o menor da história. Emprego formal, diga-se.

* O presidente Lula busca diversas frentes nas relações exteriores, com atenção à União Européia e sem deixar de lado os vizinhos latino-americanos e os parentes africanos. E a quanto tempo não ouvimos falar de o governo federal pedir empréstimos a fundos internacionais?

* A área social/assistencialista tem dado certo. É o tal do clichê “dar o peixe”. Não adianta, a fome exige ser saciada logo, não se pode esperar. Quanto à ausência do “ensinar a pescar”, é outra história...

A parte capitalista:

* Ao contrário do que eu imaginava, o governo dos DEMOcratas tem feito um bom trabalho no DF. Apesar dos interesses privados do vice-governador Paulo Octávio, mega-empresário local, o chefe do Executivo, José Roberto Arruda, traz bons ventos.

* Enquanto o DEM faz oposição ferrenha, quiçá irresponsável, ao petismo, Arruda busca diálogo com a União, em prol do Distrito Federal. É amigável com o presidente Lula, angaria recursos, é sereno.

* Centros de regiões administrativas como Ceilândia e Taguatinga estão desafogados de ambulantes. Há poucas inconseqüentes vans ainda na ativa. O Pistão Norte está excelente após a revitalização e obras no metrô, EPTG e EPIA estão em andamento.

* Mas o melhor mesmo é a tentativa de implantar ensino integral nas escolas públicas. Se por um lado é apressada, não deixa de ser um primeiro passo.

PS: O banco de professores do GDF começa mal. O que seria uma forma de substituir por alguns dias os profissionais TEMPORIAMENTE impossibilitados, consolida-se como continuação do atual modelo. Há quem vá “substituir” durante todo o ano letivo. Se é preciso chamar 3300 professores temporários, a anunciada contratação por concurso de 229 pessoas soa insuficiente.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Falta de [Educação]

A Finatec, órgão filiado à Universidade de Brasília (UnB), tem um orçamento em torno de 100 milhões de reais. Tudo deve ser investido em fomento à educação.

Mas o Ministério Público do DF contesta, dizendo que a Finatec usou apenas 750 mil reais em seus objetivos precípuos (um teórico desvio próximo de 99 milhões e 250 mil reais).

Sem falar da lixeira do reitor Timothy Mulholland, que custa 900 reais (são três exemplares).

Considerações:

* No meu primeiro dia de aula na UnB, não havia giz para o professor;

* Vi um contracheque de um professor da universidade que, retiradas as gratificações, não ultrapassava o atual salário mínimo (380 reais);

* Todo ano falta luz no campus por falta de pagamento.

37 de Esplanada

O presidente Lula cobra conversa, contato, interação entre os ministros de Estado.

Uai, mas nunca saberemos até quando um ministro ficará no cargo.

Nunca sabemos quem o Partido da Base Aliada que Não Vota com o Governo vai indicar.

Alguns chefes de pasta sequer gostariam de estar ali (nem quer a Prefeitura de SP nem quer nada).

Outros sequer eram o nome que o presidente gostaria (e sequer entende do assunto e vai mandar alguma coisa).

Sem falar dos que não sabemos quem são.

Sem falar dos coringas (atuam em diversas áreas – sabem de alguma delas pelo menos?).

No fim das contas, trinta e sete ministros é um exagero. Nem assim para saciar o PT, ideologicamente falido, o PMDB, aliado da Presidência (não do presidente) e outros partidos sem importância.

PS: Salvam-se (estou dizendo bobagem?) Dilma Rouseff, Marina Silva, Tarso Genro (apesar de ser coringa) e Nelson Jobim. A trancos e barrancos.

[Legislação] Solução 2

Você, compatriota criminoso, interessado em comprar votos no Congresso Nacional para, quem sabe, aprovar aquele projeto que vai render mundos e fundos para a sua empresa, procure as pessoas certas.

Procure um acordo com o Supremo Tribunal Federal ou com a Procuradoria-geral da República. Forme quadrilha à vontade. Tudo autorizado pela legislação brasileira.

Não há interesse público rasgado que não se possa costurar com serviços comunitários.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

[Política] É por isso que não sobra dinheiro pra nós

Hoje na Folha Online (os grifos em negrito são deste coveiro):

“Os cartões de crédito corporativo do governo federal, indicados para gastos como a compra de material, prestação de serviços e diárias de servidores em viagens, foram usados em 2007 para pagar despesas em loja de instrumentos musicais (tão necessários para o serviço público), veterinária (faz todo o sentido), óticas, choperias (auxílio-cachaça), joalherias (exigência do sindicato das primeiras-damas) e em free shop”.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Ignorem, faristeus, ignorem

BBB. Assim como a exibição de A Lagoa Azul e as caras dos calouros da Faculdade de Comunicação da UnB nos últimos semestres, todo ano é a mesma coisa. Começa o Big Brother Brasil e o povo começa a descer lenha, criticar, alienação, comunismo e tudo o mais.

Pois o programa não passa de uma diversão. Ponto. Diversão. Alguns se drogam, outros escutam drogas, outros são uma droga. Então deixe em paz quem quiser assistir a drogas. Há até quem torça pro Flamengo.

Este coveiro é ilhado por admiradores de death metal, Marisa Monte, comida japonesa e Los Hermanos. Pra agüentar, só com a boa e velha indiferença.

Música sertaneja ajuda.

Solução

Diante das péssimas condições de presídios Brasil afora, eis que surge uma casa ideal para bandidos. Ventilada, organizada, com biblioteca, servidores bem remunerados. Perfeita.

Cometeu algum crime, indigníssimo compatriota? Oras, eleja-se senador. O que você fizer antes do mandato não será punido. E lá o celular é liberado (visitas íntimas também, né?).

Então, por favor, fechem o Senado Federal e tranquem o que estiver dentro.