quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Tripartite partida

Senado, reprove a indicação de Toffoli para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme o princípio de pesos e contra-pesos, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário devem equilibrar um ao outro. Por isso o presidente da República indica nomes para o STF, e o Senado aprova ou não.

Toffoli foi advogado do PT e reprovou em dois concursos para juiz de direito nos anos 90, ou seja, não possui independência e preparo para a carreira de ministro.

Lula deveria preencher a vaga com um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), pois a vacância veio após a morte de um ex-ministro desta corte. É justo o STJ reivindicar uma vaga permanente no STF, mesmo que em acordo de cavalheiros. Isso incentivaria juízes de carreira a galgar promoções por antigüidade e merecimento até chegar ao posto máximo da magistratura no Brasil.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Engarrafamento do bem

Ontem, na volta do Plano Piloto para Taguatinga, às 18h, fiquei três minutos ou mais parado na Estrutural. Parado. Não no esquema primeira-segunda-primeira marcha. Eu estava parado. Alguns motoristas desceram dos carros, conversaram entre si; outros desligaram os veículos e puxaram o freio de mão.

Até agora não sei o motivo da interrupção, mas quando ela passou, o trânsito fluiu bem até eu chegar em casa. Demorei o mesmo tempo dos outros dias, mas não me cansei, não me estressei. Assim poderiam ser todos os engarrafamentos: em vez de andar aos poucos, ficar parado para depois andar regular.

Isso me lembra uma idéia que gostaria de colocar aqui há muito, mas nunca tive oportunidade. Nos horários de pico, Brasília poderia fazer um rodízio. Exemplo: os funcionários do Setor Bancário saem às 17h; os da Esplanada às 18h; os da Praça do Buriti às 19h. Se saírem todos de uma vez, haverá o caos. Se saírem em doses homeopáticas, chegaram a casa em menos tempo e com menos desgaste.